• Listar posts
  • Feeds - RSS
Post

Ágora (resenha do filme)

Postado por Cavalheiro em 14/05/2010 13:15
Blog: Cultura Nerd / Geek

Karmômetro (?)

polêmico
adicionar comentário Comment
Pôster da época do lançamento de Ágora

Pôster da época do lançamento de Ágora

1. Ficha Técnica Resumida
Nome original: Ágora
Data de lançamento: 01/10/2009 na Espanha (para outros locais clique aqui)
Direção: Alejandro Amenábar
Roteiro: Alejandro Amenábar e Mateo Gil
Gêneros: drama, histórico
Personagens principais: Hipácia (Rachel Weisz), Davus (Max Minghella), Orestes (Oscar Isaac), Sami Samir (bispo Cirilo)
Fonte: http://www.imdb.com/title/tt1186830/

2. Avaliação do Autor
Enredo: 5 de 5
Cenário: 5 de 5
Figurino: 5 de 5
Fidelidade histórica: 5 de 5
Originalidade: 3 de 5 (infelizmente o cinema blockbuster já abusou demais do cliché da mulher que tenta mudar o mundo mas acaba impedida de alguma maneira).
Nota final: 5 de 5
Comentários sobre a avaliação final: é um filme obrigatório para qualquer pessoa que consiga usar dois neurônios simultaneamente. O filme traz reflexões não apenas sobre a religiosidade no mundo atual como abre a pergunta “e se o cristianismo nunca tivesse existido, como estaríamos hoje?”.

3. Sobre o Filme
Ágora é a mais recente produção de Alejandro Amenábar (também conhecido pelo sucesso Mar Adentro), mas, apesar de contar com Rachel Weisz no elenco e receber excelentes comentários e classificações (tendo sido exibido no Festival de Cannes mesmo sem estar concorrendo a nada e ter alcançado o 4º lugar na lista dos Dez Filmes Mais Geeks de 2009 do site http://www.geek.com.br, entre muitos outros), não foi amplamente divulgado no Brasil. Um dos motivos é a dupla polêmica suscitada pelo filme: a de retratar de maneira suave mas fiel os cristãos dos primeiros séculos e o inevitável paralelo com correntes mais fanáticas do islamismo dos dias de hoje. O outro motivo é aquela imagem que se tem do brasileiro: um povo interessado em samba, futebol e afins, incapaz de admirar o que a humanidade humana (nota: “humanidade” aqui aparece como propriedade, não como objeto) tem de mais sublime. Foi um dos melhores filmes que eu já assisti, e considero obrigatório para qualquer um que queira ver o que uma turba insandecida pelo fanatismo (seja este de qualquer espécie) pode fazer.

4. Resenha
Hipácia de Alexandria (em português: http://pt.wikipedia.org/wiki/Hip%C3%A1tia; em inglês: http://en.wikipedia.org/wiki/Hypatia) foi a última diretora da Academia de Alexandria, instituição de ensino inspirada no neoplatonismo e na Academia Platônica, e uma das mais importantes filósofas, matemáticas e astrônomas de seu tempo (quiçá de todos os tempos). Infelizmente, ela viveu em um período histórico muito ruim para ser uma mulher pagã, solteira, independente e inteligente: o final do século IV d.C. e o início do século V d.C. Nesse período, Império Romano já havia adotado o cristianismo como sua religião oficial, e isso representaria um sério problema para uma pessoa com todas essas virtudes que Hipácia possuía.
Como diretora da Academia de Alexandria, Hipácia não apenas ministra aulas de filosofia, astronomia e matemática como exerce uma grande influência no governo da cidade, formado em grande parte por ex-alunos seus. O prefeito Orestes, inclusive, raramente tomava decisões importantes sem consultar sua mestra, e o conselho sempre a consulta quando necessário.
Essa influência ofendia os cristãos. Baseados nas Epístolas Paulíneas (isto é, aquelas que foram escritas por São Paulo), os cristãos acreditam que a mulher foi criada por Deus para ser um ente submisso ao homem, do qual seria nada além de uma posse e para o qual não teria utilidade além de reprodutora e empregada doméstica. Liderados pelo bispo, da cidade, Cirilo de Alexandria (canonizado em 1882), os cristãos exigiam do governo que Hipácia fosse punida por sua “ousadia” em, como mulher, influenciar as decisões da cidade.
Orestes resistiu o quanto pôde, mas se viu forçado a ceder quando o Império determinou que os funcionários públicos deveriam se converter ao cristianismo. A partir desse momento, os contatos entre Hipácia e Orestes passaram a ser secretos, pois ela se recusava a converter-se. Respaldados pelo governador da província, os cristãos lançaram um golpe contra a Academia, invadindo e destruindo o lugar. Hipácia, ao tentar apelar junto a Orestes, foi sequestrada (com a anuência de Cirilo) por uma turba de cristãos liderada por Pedro, o Leitor, arrastada até uma igreja, apedrejada, esquartejada viva e lançada ao fogo. Orestes fugiu, e Cirilo assumiu o controle da cidade.

5. Recomendações
Assista a esse filme apenas se você não for um fanático religioso, pois o filme pode ser bastante incômodo aos que nutrem uma visão idílica e romanceada dos primeiros anos do cristianismo. Trata-se de uma religião embrutecida e inimiga do saberes humanos, como a História frequentemente mostra – ou, como Voltaire disse nas Cartas Inglesas, “uma religião de analfabetos e broncos, sempre falando de amor mas dispostos a trucidar todo aquele que não adere aos seus absurdos”. Hipácia é apontada como a primeira mártir da humanidade, tendo sido morta por sequazes de uma religião nascida do ressentimento e de crimes contra a capacidade humana de pensar.
Nota importante: quando falo de cristianismo, falo da religião que surge a partir das Epístolas Paulíneas. A mensagem de Jesus Cristo é muito diferente da mensagem pregada pela religião que leva seu nome, o que torna importante e necessária a distinção.


Tags:

Se você gostou,
seja um GEEK!

participe

Comentários Comment

  1. comentário de Josefel Zanatas

    Karmômetro (?)

    ruim e polêmico

    Acho que nao passou no Brasil porque as distribuidoras tem medo da reacao da igreja a um filme ateista desses.
    Aproveito a onda para indicar dois livros que estou lendo e sao bem legais: God is not Great (que é bem melhor que o Deus, um Delirio do Dawkins) e The Good Man Jesus and the Scoundrel Christ (O Bom Jesus e o Cristo Trapaceiro), do Philip Pullman, o mesmo autor da Bussola Dourada. Ele cria um irmão de Jesus chamado Cristo e com isso consegue recontar a historia dele sem as incongruencias da biblia.

    Postado por Josefel Zanatas em 15/05/2010 09:20

  2. comentário de Francisco

    Karmômetro (?)

    polêmico

    Excelente artigo parabéns! sou fã deste tema e não sabia do filme, vou procurar na web para assistir.
    PS. depois disso, não torço mais para o são Paulo ;)…

    Postado por Francisco em 16/05/2010 12:02

  3. comentário de Laudo Leon

    Karmômetro (?)

    bom e polêmico

    Como cristão, discordo da afirmação de que esse filme não deve ser assistido por nós. Deve assim! Até porque, obras como essa mostram como o cristianismo foi deturpado; mostram como a ganância e o desejo de poder entram na igreja, trocando o amor, a compreensão e outros bons ensinamentos deixados por Jesus, pelo, ódio, o preconceito, a intolerância, a arrogância, a luxúria etc… etc… etc…
    Aliás, o cristianismo não teve início no século IV, mas sim no século I. O que começou no século IV com o imperador Constantino foi o catolicismo romano. É bom lembra ainda, que muitas das “bruxas” e dos “hereges” mortos pela “Santa Inquisição”, eram cristãos verdadeiros que não aceitavam os rumos que estavam dando para a igreja. Não era preciso ser ateu ou mulher para ser cruelmente morto, bastava se opor ao regime do “império religioso que se iniciava”. O próprio Martinho Lutero, autor da reforma protestante, só não foi morto porque teve a proteção de um principado alemão.
    A história mostra que homens inescrupulosos, sempre usaram a religião para promoverem suas maldades. Infelizmente é o que ainda vemos nos dias de hoje em muitas igrejas que se dizem cristãs e/ou evangélicas. Porém, é bom lembrar a perversidade humana está presente em todo lugar. Existem falsos médicos, falsos advogados, falsos policiais, falsos empresários etc… etc… etc… Existem maus médicos, maus advogados, maus policiais, maus empresários etc… etc… etc…, mas nem por isso podemos dizer que a medicina é falsa ou má, que a justiça é falsa ou má, que o comércio é falso ou mau. Da mesma forma, existem falsos e maus cristãos, mas não é por isso que o cristianismo é falso ou mau.
    Jesus mesmo alertou sobre a existência de lobos em pele de cordeiro, e do joio no meio do trigo. Ele nos mandou tomar cuidado e nos ensinou a diferenciar uns de outros. Ele também nos ensinou a amar a Deus e o próximo, a amar mesmo aqueles que não são nossos amigos ou que pensam diferente de nós. Quem ama não mata, não rouba, não corrompe, não adultera, não trai, não mente, não engana, não… Essa é a essência do cristianismo. Está lá, tudo na Bíblia, só não vê quem não quer.

    Obs: Ao contrário do que disse o autor, Paulo foi um grande defensor das mulheres e seguiu fielmente os ensinamentos de Jesus. Na época de Paulo, o termo “submisso” significava algo como estar sobre a mesma missão, assim como Deus ordenou na criação "uma mulher para lhe ser idônea, ou seja, igual. Mas hoje o significado é outro, e tem a ver apenas com a obediência inquestionável e é isso que confunde as pessoa. Esse é o perigo de se apegar a um único texto. Mas veja o que Paulo fala na carta aos Colossenses 3-18 e 19: “Esposas, sede submissas ao próprio marido, como convém no Senhor. Marido, amai vossa esposa e não a trateis com amargura”. O que isso significa???? respeito mútuo. Paulo fala que a mulher deve obedecer ao marido por ele ser o líder da casa, mas também fala que o homem deve amar e respeitar sua mulher. O marido que ama não maltrata a esposa, não faz dela uma escrava, ao contrário, tem a esposa como uma companheira, ele ouve o que ela tem a dizer, aceita seu ponto de vista, trata como um ser igual.

    Postado por Laudo Leon em 17/05/2010 10:08

  4. comentário de Nietsch Saramago

    Karmômetro (?)

    excelente

    Engraçado, porque não coloca no site o nome “ateugeek.com.br” porque fica mais claro que a posição do site é mais vociferar as amarguras pessoais de seus mantenedores do que uma preocupação em divulgar tecnologia – que suponho seja o assunto dos geeks.

    O número de posts que falam de religião são tão somente artigos de ateus para ateus, tendenciosos e maniquístas, e vejo o quão triste devem ficar os Dawkinsianos quando um filme tão bem feito sobre a “verdade” deles não arregimenta os bilhões de “ignorantes” para sua própria “crença”.

    Bom, adoro quando começam a chingar todo mundo de burro e ignorante de modo a tentarem parecer mais “esclarecidos”, é um bom método para fazer as pessoas serem mais crentes ainda.

    Continuem sempre assim, bem debocados e arrogantes. ;)

    Postado por Nietsch Saramago em 08/08/2010 15:29

  5. comentário de mouses

    Karmômetro (?)

    tende a neutro

    Ótimos textos e dicas para os geeks!!!! Parabéns pelo blog.

    Postado por mouses em 31/10/2010 17:21

Postar um novo comentário

Não preencha este campo Ele é um mecanismo para evitarmos spams. Se vc. está vendo este texto, seu browser provavelmente não interpreta corretamente CSS. De qualquer forma, apenas deixe este campo em branco e siga livre para comentar.

Ajuda com a formatação


voltar ao início